Quem sou eu

Minha foto
Jornalista, Terapeuta Holística, Taróloga, Cabalista,Sacerdotisa, Professora,Educadora Patrimonial, Escritora, Numeróloga, Pesquisadora de Ciências Ocultas, Palestrante, e atende nas áreas de Florais de Bach, Fitoterapia, Aromaterapia, Terapia com cristais, Reiki, Cura Prânica, Tarô Terapêutico e Numerologia.

sábado, 16 de setembro de 2017

A MAGIA DAS FOLHAS

Apesar do axé de todas as folhas pertencer a Osayin, todos os orixás possuem suas próprias folhas, algumas para uso iniciático, outras para banhos, outras para pós, algumas tão quentes ou tão frias, que seu uso não é recomendável, algumas somente para feitiços, etc. Cada tipo de folha pode pertencer a mais de um orixá. Não é aconselhável colher folhas a noite e o preparo dos banhos ou abô deve ser feito quinando as folhas tendo uma vela acesa e de preferência cantando para Osayin. Para quem é “feito” (iniciado no culto à ancestralidade) é preciso tomar certos cuidados no que diz respeito ao uso indiscriminado de banhos, uma vez que o uso do “ejè ewé” (energia vital da folha) de maneira irresponsável poderá ser prejudicial ao equilíbrio de sua energia. É necessário promover um equilíbrio entre as folhas usadas no banho ou abô, já que pode-se esfriar ou esquentar demais a energia de uma pessoa, caso seja iniciada no culto, ou causar o despertamento da energia numa pessoa “crua”, não iniciada, o que pode causar problemas. No culto à ancestralidade, o uso da energia vital das folhas (ejè ewé) é feito desde o primeiro até o último ritual, abrindo e fechando as cerimônias de “feitura” (iniciação) e todos os outros rituais dentro do culto à ancestralidade. A cultura do uso das folhas na medicina natural é muito conhecida e aplicada até hoje, porém vale lembrar que não se deve fazer uso das folhas sem uma boa orientação e consulta médica, principalmente gestantes.
As folhas e os orixás se dividem da seguinte forma:

Essas são algumas folhas e suas características:


Pata de vaca
A branca é usada para banhos e abô de Omolú e Nanã. A rosa é para Oyà. O chá dessa folha é usado como complemento no tratamento do diabetes.


Folha de fortuna
Usada para orixás fun fun (que só aceitam a cor branca) e para Orì (obrigações de cabeça). Essa folha pode ser usada externamente em tumores e furúnculos e internamente para úlceras gástricas, tosse e infecções internas, pois possui substâncias antibacterianas, antivirais e antifúngicas.


Nicurizeiro ou Baunilha de Nicuri
Usada para banhos e abô de Osayin. Essa folha é usada por produtores de essências para fins culinário.

Erva Capitão
Banhos e abô de Oxun. Folha usada para banhos de prosperidade e serve como recipiente para servir o Ipetè (comida do orixá Oxun). Suas flores são grandes e exuberantes.

Orìpépé
Para abô de Exú (folhas e flores) e em pó para feitiço. Essa erva também pode ser usada para o abô de Oxun (apenas as folhas). Essa folha pode ser usada para infecções na boca e garganta, a infusão das folhas e flores é usada para dor de dente e estomatite, além de ser um ótimo diurético e fonte de vitamina C.

Romã
Banho e abô de Xangô e Ogun. A fruta atua como antioxidante e anti-inflamatório para garganta. Suas folhas piladas servem para irritação nos olhos. De acordo com pesquisadores, a romã ajuda a frear a multiplicação de células cancerígenas.

Umbaúba ou Embaúba
Branca – para banhos e abô de Yemanjà e Osayin.
Roxa – Para banhos e abô de Xangô, Oyà e Nanã. O uso interno do sumo das folhas de Embaúba alivia tosses e ajuda a controlar a pressão arterial. O uso externo trata feridas causadas por insetos venenosos.

Picão
Usada para banho e abô de exu. Esta folha ajuda a controlar distúrbios menstruais e hepatite. Também ajuda a tratar picadas de animais e insetos venenosos.

Fedegoso / Mata-pasto / Candelabro
Folha usada para banhos e abô dos orixás Exu, Oyà e Omolù. É usada para sacudimentos e combate a febres.

Aroeira
Folha usada nos banhos e abô dos orixás Ogun, Oxossi, Xangô e Osayin. Usada em sacudimentos e como antisséptico no caso de fraturas e feridas expostas (uso externo).

Akoko
Folha sagrada dos orixás Oxossi, Osayin, Oyà e Ogun. Suas folhas representam o reconhecimento e a realeza. Nenhum rei é considerado rei, se em sua cabeça não tiver levado Akoko. Essa folha também está associada ao culto de Babà Egun.



Cipó Milomi / Jarrinha / Mil homens
Folha pertencente aos orixás Osayin, Oxun, Nanã e Yemanjà. Folha para rituais iniciáticos, seu uso se restringe às casas de axé. Essa folha pode ser usada como antídoto para veneno de cobra. Folha muito perigosa para mulheres grávidas.



Pinhão roxo
Folha usada nos banhos e abô dos orixás Oyà e Xangô. Usada para sacudimentos, essa folha serve como curativo para feridas (uso externo).



Manjericão branco
Folha usada nos banhos e abô dos orixás Oxun, Yemanjà e Oxalà. Serve para auxiliar no tratamento de gases, cólicas intestinais e infecções urinárias. Seu uso é muito comum na culinária.



Melão de São Caetano
Folha usada nos banhos e abô dos orixás Oxumare, Nanã, Omolú e Ewà. Planta de uso exclusivo das casas de axé. Não recomendável para gestantes.



Erva Tostão
Banhos e abô dos orixás Xangô e Oyà. Contra feitiços, pode ser usada em banho ou em pó. Possui princípios diuréticos.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A velha Religião - Stregheria - Bruxaria Italiana


Stregheria é um termo moderno, um neologismo, utilizado por alguns autores neo-pagãos como um sinônimo para a palavra italiana Stregoneria, que significa Bruxaria.

Para algumas pessoas, a Bruxaria Italiana é tida como a "Velha Religião" (Vecchia Religione, em italiano), culto neopagão italiano com origens nos velhos mistérios Egeu-Mediterrâneos. A stregheria é uma religião iniciática imposta por diversos clãs, na maioria hereditários e extremamente herméticos.

Já para outras, a Stregoneria é simplesmente a prática de bruxaria de influências italianas, desvinculada de religião, já que para Bruxaria Tradicional a mesma não é considerada uma 'Religião' per se, mas sim um Ofício, uma prática de feitiçaria independente da religiosidade.


Cultos


O Culto das Streghe Neo-Pagãs centra-se na figura da Deusa Diana e seu irmão e Consorte Dianus Lucifero.

Mas este Culto, deve-se deixar claro, é aquele mantido por praticantes modernos, e não correspondem a Bruxaria Italiana como um todo.


Deve-se dizer ainda, como demonstrativo da variedade de práticas e pensamentos ligados a 'Stregoneria' que há muitos Stregoni e Streghe que focalizam sua prática em Santos Católicos, enquanto há outros grupos e praticantes que se focam na figura do Diabo e demônios menores. Portanto, não é possível generalizar a 'Stregoneria' como uma prática única, ou como um único Culto.

Quando feito dentro de famílias ou em grupos de práticas, os rituais da Bruxaria Italiana também buscam a cura, a fertilidade e a prevenção ou quebra do mal olhado, também conhecido como malocchio ou jetattura, bem como o amaldiçoamento de seus inimigos e feitiçaria para diversos fins, sejam benéficos ou maléficos.

Dentro das tradições das streghe ocorrem também ritos solares, obedecendo tanto às estações do ano, quanto à ciclos de plantio e colheitas nas diferentes regiões da Itália.

Segredos e práticas


Os streghe ou bruxos se reunem às noites de lua, dependendo de seu crescente ou declínio, e nos dias de sol intenso.

À lua cheia são revelados os mistérios da tradição, enquanto os rituais solares são voltados para a adoração e a iluminação, e ainda o contato com a natureza, tão importante pra nós.


Os elementos têm muita importância para os streghe, e uma das práticas secretas é a Arte das Transmutações, em que se utiliza o magnetismo do olhar para impregnar pessoas e coisas, como os benzedeiros chamam de "Luz nos Olhos" ou "Olhar de Fogo", para os bruxos.


O Brilho do olhar pode ser usado para o bem ou mal, mas a maioria dos streghe utilizam o fogo (para libertaçao) e a água (para purificação), visualizando o corpo em questão cheio destes elementos.


A stregaria também mantém contato com espíritos familiares, elementais, anjos e devas, etc., mas tudo com objetivos definidos, sejam materiais ou de desenvolvimento espiritual.

Muitas tradições que se voltaram para o cristianismo mantiveram o simbolismo strega pelas gerações, e hoje constituem alguns dos principais grupos mantenedores da stregaria no Brasil.


Apesar de misturada e muitas vezes enraizada no Cristianismo esotérico e no hermetismo, a stregaria mantém suas antigas tradições e rituais mediterrâneos, que morrem com os membros, mas cedo ou tarde retornam na família, através de sonhos, inspirações e até mesmo uma curiosidade.

Stregheria revelada

A Stregheria passou a ser conhecida graças ao folclorista Charles G. Leland, que no final do século XIX escreveu obras sobre o tema, entre as quais se incluem Aradia, Il Vangelo delle Streghe Italiane e Etruscan and Roman Remains in Popular Tradition.

Leland conseguiu este material na Florença, onde mantinha contato com mulheres que se intitulavam Streghe (Bruxas em Italiano).

A maioria dos Clãs de Stregoneria são Politeístas, tendo um Panteão cheio de Deuses, Semi-Deuses e Raças de Espíritos, todos eles criados das deidades supremas que são Diana e Dianus Lucifero.

Alguns praticantes, no entanto, mantém seu culto firmado em algumas deidades, criando com elas uma espécie de aliança, não necessariamente sendo Diana e Dianus, embora, indubitavelmente eles sejam os mais cultuados.

As bases dos mistérios Stregonesci vieram principalmente de influências Etruscas. É importante lembrar, porém, que os romanos e assim, os ítalos tiveram muito contato com outros povos, dado à posição comercial e geográfica que os privilegiou em muitos momentos da história.

Desta forma, desde os celtas que viveram no norte da Itália aos cultos e tradições trazidos pelos gregos que se instalaram na Magna Grécia, na Sicilia, influenciaram muito os modos, tradições e crenças das streghe, das fazedoras de magia, de curas.

Hoje, muitos praticantes de Bruxaria Italiana têm seus cultos e crenças enraizados também no Cristianismo e na cultura judaico-cristã, pois com a conversão dos romanos, muitos deuses e seus templos e cultos ganharão esse caráter, embora não tenham perdido sua essência e importância entre os praticantes recém-convertidos.

Estes são atualmente aqueles que fazem suas curas em nome de Santa Luzia, São Miguel ou São Pedro, mas com magias e rezas, além do uso de ervas, plantas e especiarias.

Animulare, Tanarra, Janare, Strie, Strighe, Borde, Magare, Majare, Cogas, Masche, Basure são palavras sinônimas para "streghe" em diversos dialetos italianos. Foram erroneamentes tidas como 'Tradições de Bruxaria', mas na verdade são apenas palavras de diversos dialetos.

Clãs e tradições de Stregheria


A Stregheria contém em si várias ramificações que são chamadas de Clãs ou Tradições. Um Clã é formado por um conjunto de regras, liturgias, mitos e práticas em comum, onde os Stregoni e Streghe estão ligados entre si pela linhagem.

Outros grupos ainda, não tem um nome específico porque se desenvolvem em regiões, como resultado das vilas daqueles locais, ou em famílias. Nem sempre as famílias abrem ou mesmo assumem suas práticas mágicas, religiosas ou espirituais, por isso são muito pouco conhecidas.


Bibliografia
Leland, Charles G., Aradia o evangelho das Bruxas
Ginzburg, Carlo, Os Andarilhos do Bem
Grimassi, Raven, Italian Witchcraft


ALINE SANTOS É Jornalista, Terapeuta Holística, Taróloga, Cabalista, Professora, Escritora, Palestrante, e atende nas áreas de Florais de Bach, Fitoterapia, Aromaterapia, Terapia com cristais, Reiki, Cura Prânica e Tarô Terapêutico.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Benzedeiras - ofício tradicional

BENZEDEIRAS

Em cada pedaço de chão do interior do nosso Brasil existem homens e mulheres que são curadores, que aplicam a sabedoria ancestral, em chás de ervasbanhos e benzimentos, com rezas e cantos, e com essas práticas conseguem minorar muitos dos males que atingem os que as consultam. Assim, são essas pessoas, que conhecem as folhas, as cascas, os cipós, as luas mais propícias e também, as rezas que orientam sua  na cura.


Pelo efeito da fé daqueles que aplicam conhecimentos de cura que vêm de povos tão distintos - brancos, negros, indígenas - as benzedeiras, curandeiras ou costureiras de machucaduras, como também são conhecidas em alguns lugares, têm suprido a falta de atendimento médico em localidades remotas. Há também quem, mesmo nas cidades, prefira procurar uma benzedeira para casos em que a cultura popular identifica como sendo de trato das benzedeiras - empacho, espinhela caída, quebrante, bucho virado, e tantos outros nomes que o povo usa para designar sensações físicas muito incômodas.

Fé e Cura: a comunicação popular das benzedeiras

BENZEDOR

BenzedorCurador ou simplesmente Rezador é uma atividade, muitas vezes considerada curandeirismo, destinada a curar uma pessoa doente, aplicando sobre ela gestos, em geral acompanhados por alguma erva com poderes energéticos sobrenaturais, ao tempo em que se aplica uma prece (o poder da palavra). Constitui-se num importante elemento da cultura popular do Brasil, e tem suas origens no sincretismo religioso.
Um estudo sobre tais práticas tanto pode ser realizado nos parâmetros da antropologia médica ou no âmbito da parapsicologia e estudos da religião e cura pela fé. 
Em ambos os casos a maioria das pesquisas referem-se a estudos específicos de casos cura ou descrição dos curadores com suas respectivas crenças (com detalhadas descrições das rezas e plantas utilizadas) e/ou os itinerários terapêuticos e percepção do "pacientes" sobre a doença e tratamento.
Apesar da resistência da ciência oficial, a atividade muitas vezes impressiona pelos seus efeitos, atribuídos pelos cientistas por um componente subjetivo que é a fé daqueles que se submetem à cura.
Ao contrário dos curandeiros, o Benzedor em geral é alguém da própria comunidade, e que recebeu os ensinamentos dos antigos, sempre de forma oral, razão pela qual não há registros sobre eventuais fórmulas, bem como mantêm em segredo a oração que proferem, não cobrando por suas atividades (embora nada obste que o faça).
Os rezadores são típicos das regiões remotas, onde os médicos são escassos, os remédios alopatas inacessíveis. A origem nos pajés indígenas é patente - sendo que na Região Amazônica ambos os conceitos são sinônimos - com a aplicação de elementos próprios da religião cristã. 
Não se pode descartar também a influência da cultura africana nas regiões onde predominou a colonização com mão de obra escrava.
Para o Espiritismo o Benzedor está intuitivamente aplicando os princípios do "magnetismo espiritual", cujo estudo científico iniciou-se no século XVIII com o Dr. Franz Anton Mesmer (1734-1815).
Consta que o médico brasileiro Dr. Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti (1831-1900), um dos fundadores da doutrina espírita no Brasil enquanto vereador do Rio de Janeiro realizou pesquisas sobre medicina medianímica praticada na época, inclusive com pesquisa de campo com o médium receitista João Gonçalves do Nascimento (1844 - 1916) com parecer favorável sobre sua eficácia.

ORÁCULO DO DOMINO - Como Ler a Sorte no Dominó

Você sabia que as pedras do dominó eram usadas para prever o futuro, tanto na Índia como na China? 

Na ilha de Bali até hoje existem quiosques montados na praia onde as pessoas lêem a sorte com as pedras desse jogo. 

Esta mancia é conhecida como dominomancia, a arte de obter respostas através do dominó. 

A dominomancia é praticada de maneira simples, sorteando-se uma das 28 pedras do dominó. 
Suas respostas são limitadas a um "sim" ou um "não". Pense em uma pergunta concreta e objetiva

Experimente ler sua sorte, você mesma! Vire as pedras para baixo e misture sete vezes. Então concentre-se e retire uma delas e veja a mensagem das pedras.


 Zero/Zero – Tenha paciência, pois poderão surgir dificuldades na vida amorosa e com os amigos. Essa pedra indica que tudo é possível, portanto os resultados vão depender mais de suas vibrações para que tudo tome um rumo favorável.

 Zero/Um – Tenha cuidado ao criticar os amigos para não provocar discussões. Essa pedra indica que, se por um lado tudo é possível, saiba que essa pedra também marca as tendências passageiras dos acontecimentos.

 Zero/Dois – A sorte está ao seu lado no amor. Problemas familiares chegarão ao fim. De qualquer forma, essa pedra também sugere enganos e ilusões. Portanto é bom saber que nem tudo é o que parece.

 Zero/Três – Uma crise na vida afetiva pode perturbá-lo. Seja paciente e tudo se resolverá. Essa pedra também indica a necessidade de realizações. Então é bom saber que as coisas se resolvem através de atitudes e não da passividade contemplativa.

 Zero/Quatro – A pessoa amada passará por uma crise de ciúme. Prepare-se. Note que essa pedra induz ao equilíbrio e exprime a vontade que supera os medos. Portanto, ser firme num posicionamento diante da vida só pode ser benéfico.

 Zero/Cinco – Algumas dificuldades na vida afetiva. Acalme-se, pois tudo ficará bem. No zero/cinco os momentos de transição são bem marcados. Os acontecimentos que estão no ar são o indicativo de que algo está para evoluir para uma outra fase.

 Zero/Seis – Cuidado com fofocas de pessoas invejosas. Isso pode abalar seu romance. Essa pedra também indica que dúvidas e incertezas estão ocorrendo com o consulente. Perceba que o medo de errar normalmente conduz ao erro. Tente permanecer neutro.

 Um/Um – Chegou o momento de tomar a decisão de ficar com quem realmente ama. Essa pedra também indica uma fase de luta ou até mesmo de martírio. Isso quer dizer que as decisões não serão fáceis de serem tomadas.

 Um/Dois – Para dar um novo rumo ao relacionamento, tome uma atitude positiva. Esteja atento também ao fato de que para obter alguma coisa, deve-se abrir mão de outra, portanto é um indicador de um certo sacrifício.

 Um/Três – Não é a época certa para iniciar um novo relacionamento. Seja prudente. Essa pedra representa ainda as coisas relacionadas com intercâmbios pessoais, materiais ou místicos. O cuidado a ser mantido é nas relações de trocas pessoais.

 Um/Quatro – Fase pouco favorável para amizades, mas no amor tudo estará ótimo. Essa pedra indica que relacionamentos com grupos estão sujeitos a impaciência ou injustiças, e que relacionamentos com pares revelam transformações favoráveis.

 Um/Cinco – Nova paixão à vista depois de um relacionamento bastante complicado. Porém saiba que um certo antagonismo pode surgir, pois o confronto da antiga situação com a nova situação propicia dúvidas. Seja perspicaz.

 Um/Seis – Evite implicâncias com seu amor e faça novos planos para essa relação. Essa pedra também indica que você está caminhando na direção de seu destino, em busca de um templo de paz perdido em seu futuro.

 Dois/Dois – Bom momento para fazer novos amigos, mas cuidado com os invejosos. E ainda, essa é uma pedra que revela muita vivacidade, propiciando começos muito agitados e dando a sensação de monotonia depois. É só manter o equilíbrio.

 Dois/Três – Muita felicidade e boas surpresas no amor. Pode surgir proposta de casamento. Aliado a isso, a pedra adverte para que não se dê muita importância a contratempos sem grandes significados. Dar importância a pequenos fatos apenas atrasa as coisas.

 Dois/Quatro – Se não der mais atenção à pessoa amada haverá risco de rompimento. Esteja atento às suas verdadeiras intenções, pois saiba que se não se submeter a alguns sacrifícios para o bem da relação, o rompimento será inevitável.

 Dois/Cinco – Prepare-se para viver momentos de intenso prazer com a pessoa amada. De toda forma, tudo levará a uma despreocupação muito grande e é aí que mora o perigo: curta os prazeres sem descuidar da essência da relação.

 Dois/Seis – Você será recompensado pelo carinho e atenção que dispensa à pessoa amada. Essa pedra ainda indica que esse é um período em que finanças, saúde e carreira estão atravessando uma ótima fase. Aproveite com o coração.

 Três/Três – As amizades estão bastante favorecidas, porém a vida afetiva traz alguns problemas. É recomendável verificar em que momento as dificuldades começaram. Corrigindo os inícios, tudo se resolve.

 Três/Quatro – Um inesquecível momento de amor espera por você. Ânimo. Aqui é necessário refletir sobre o dever que você tem de colocar seus planos em prática e não deixar os acontecimentos ao sabor do vento.

 Três/Cinco – Você receberá boas notícias de alguém que não vê há muito tempo. Saiba que essa pessoa poderá ser a grande responsável por uma transformação em sua vida, e que você passará por uma fase de transição para melhor.

 Três/Seis – Prepare-se para receber presentes e fazer uma linda viagem. É uma fase alegre. Não deixe que as dúvidas atrapalhem esse momento, procure ser mais modesta em seus desejos e aceite de bom coração as ofertas que lhe fizerem.

 Quatro/Quatro – Muita preocupação com a vida amorosa pode pôr tudo a perder. Relaxe. Saiba que essa pedra fala do desejo e anseio pela perfeição, e é aí que mora o perigo, pois você tenderá a exigir coisas que nem você mesma está apta a oferecer.

 Quatro/Cinco – Para que o relacionamento com a pessoa amada melhore, evite fazer muitas críticas. Entenda que é a rigidez com você mesma que faz com que você seja exigente demais com o parceiro. Portanto, aceite seus defeitos. Só assim compreenderá o outro.

 Quatro/Seis – Para conseguir um novo amor deixe as disputas com amigos de lado. Essa pedra fala também da ambição e do desejo de ser melhor em tudo. Não se importe com o que acontece do seu lado. Se esforce apenas para que as suas coisas saiam a contento.

 Cinco/Cinco – É grande a chance de conhecer uma pessoa muito interessante numa festa. Como essa pedra fala também de conhecimento científico ou místico, essa pessoa pode ser bem preparada intelectualmente e espiritualmente. Você só tem a ganhar nessa aproximação.

 Cinco/Seis – As chances de conquistar a pessoa de seus sonhos está muito próxima. Mas entenda que é preciso que você faça escolhas difíceis para conquistar esse sonho. Dê ouvidos mais à intuição do que à razão e vai se sentir mais segura.

 Seis/Seis – Chegou o momento de viver um grande amor. Prepare-se para um novo relacionamento. Essa pedra também fala de mistérios. Portanto, não se preocupe em querer entender tudo. Saiba aceitar a bênção que o destino pôs em sua vida.


Dica
Sempre que consultar um oráculo, procure colocar sobre a mesa um tecido de cor escura, de preferência que nunca tenha sido usado ou que seja usado apenas com essa finalidade. Procure estar sozinha para que as influências vibratórias de outras pessoas não interfiram na leitura. Acenda um incenso de limpeza (os que contêm cânfora) ou algum que tenha a indicação de ativar a sensibilidade ou espiritualidade e acenda uma vela, de preferência de cores claras (evite velas escuras e as vermelhas).

Outro método

Proceda como em uma partida normal: embaralhe todas as peças.
Retire uma pedra e, sem ver, coloque-a sobre a mesa, sempre virada para baixo.

Depois, vire-a sobre a mesa e interprete-a de acordo com o significado de cada peça:

Nada e nada: o pior presságio, tristeza, perda.

Um e nada: projetos concretizados.

Um e um: visita de amigo.

Dois e nada: dificuldades.

Dois e um: felicidade.

Dois e dois: ciúme.

Três e nada: surpresa.

Três e um: novidades.

Três e dois: perda sentimental.

Três e três: ciúme.

Quatro e nada: reencontro.

Quatro e um: perda de patrimônio.

Quatro e dois: perda sentimental

Quatro e três: problemas.

Quatro e quatro: encontros amorosos

Cinco e nada: amigo de visita.

Cinco e um: caso de amor.

Cinco e dois: comemoração.

Cinco e três: uma visita.

Cinco e quatro: lucro.

Cinco e cinco: mudanças, sucesso.

Seis e nada: risco de traição.

Seis e um: fim de problemas.

Seis e dois: presente útil.

Seis e três: viagem feliz.

Seis e quatro: aborrecimentos.

Seis e cinco: imprevistos.

Seis e seis: dinheiro e fama.


Combater a Inveja e o Mal Olhado

Começo este artigo com dois ditos populares que demonstram o quanto o assunto inveja, olho gordo e mau olhado incomoda a humanidade desde o início da Criação. 

Se alguém duvida, responda por que motivo Cain matou Abel? Os ditados: "A inveja é como um sapo: tem olhos grandes, mas está sempre na lama" e "A inveja é o prêmio de quem nunca tem sucesso na vida".

Até o mais cético acredita no poder do mau olhado e no estrago que ele pode fazer na sua vida pessoal e profissional. Nas minhas consultas as maiores reclamações que escuto dos clientes é o fato de serem perseguidos ou afetados negativamente por inveja e olho gordo das pessoas. 

Sempre ensino a estes clientes como se proteger desta energia negativa e como fazer uma limpeza energética para "varrer" os ambientes destes miasmas negativos.

Infelizmente a inveja é uma verdadeira praga energética que irá conturbar um ambiente familiar ou atrapalhar o dia a dia de uma empresa e seus funcionários. 

O motivo do porquê isto ocorre é muito mais amplo do que podemos imaginar: insegurança, inferioridade, maldade, falta do que fazer, incapacidade de realizar etc. 

O mais importante é saber que podemos evitar, superar e eliminar estas energias e pessoas negativas de nossas vidas.
O que não podemos fazer é dar força à inveja alheia, acreditando que elas irão nos derrubar. 

Aceitar que inveja existe é um bom começo para vencê-la. Acreditar que somos mais fortes que a inveja e os invejosos é uma certeza de que já vencemos.

É muito importante também usar objetos e símbolos de proteção na sua residência, empresa, carro, mesa de trabalho e uma proteção especial para cada pessoa.

Preparei uma pequena lista de proteções para ambientes e para uso pessoal. 

Use e abuse:

1) Mantenha a boca calada: em boca calada não entra mosquito. Pare de falar para todos sobre sua vida e planos.

2) Cuidado com as reclamações: evite que as pessoas fiquem a toda hora chorando, reclamando, falando mal, fofocando de outras pessoas dentro de sua casa e empresa, principalmente se forem pessoas de fora do ambiente.

3) Ba-Gua de proteção rebate as más energias: coloque um Ba-Gua na porta de entrada do imóvel, pelo lado de fora. Na mesa de trabalho, coloque um Ba-Gua de mesa, apontado para quem chega ate você. Pendure um Ba-Gua no espelho retrovisor do carro.

4) Espelhos: o espelho também repele as más energias. Coloque um espelho pequeno sobre a porta de entrada do imovel, pelo lado de fora. Na mesa de trabalho, coloque uma peça espelhada sobre a mesa, apontada para quem chega até você. Você pode optar por um Ba-Gua espelhado tanto na porta, como na mesa.

5) Cruz, santos, orixás, arcanjos e divindades: protegem os ambientes. Colocar próximo à porta de entrada ou acima da porta de entrada do imóvel. Coloque um adesivo do santo (a) no vidro do carro. Tenha um santo(a) na sua mesa de trabalho. Pode ser São Jorge, Arcanjo Miguel, São Judas, Nossa Senhora, Oxalá, Shiva, Xangô, entre outros.

6) Animais de proteção: têm muita energia para espantar a inveja. Colocar na frente da porta de entrada do imóvel. Pôr um animal sobre a mesa de trabalho, apontado para quem chega. Os animais mais comuns: leão, tigre, dragão, águia e serpente.

7) Salmos de proteção: ler todos os dias estes Salmos nos protege, dá mais energia. Tenha estes Salmos nos ambientes, mesa de trabalho e na agenda. Os Salmos: 10, 43, 46, 91 e 96.

8) Cristais: absorvem e rebatem as más energias. Tenha sempre: quartzo branco, ônix, turmalina e hematita.

9) O verde protege: certas plantas e flores naturais têm o poder de rebater e absorver as más energias. Coloque nas entradas e nos ambientes: vaso de flores vermelhas, vaso de sete ervas, uma pimenteira, vaso de comigo-ninguém-pode e espada de São Jorge.

10) Água com sal grosso com carvão: colocar um copo de água com sal grosso com carvão no ambiente purifica o ambiente e protege das energias negativas. Colocar o copo ou atrás da porta de entrada ou num canto do ambiente. Trocar semanalmente.


Há muitas outras formas de proteção. O mais importante de tudo é que você acredite no poder da proteção, pois você estará potencializando o trabalho.

Benzimento de Mau Olhado e Quebranto




A oração seguinte é a que uso normalmente quando faço um benzimento, uso três galhos de arruda, pinhão-roxo ou outra planta disponível, molho com água e digo a oração, quando enumero os males que a pessoa está sendo benzida, posso acrescentar ou colocar algum elemento, a depender do que a pessoa esteja sentindo ou do que eu perceba no momento. 

Antes de Qualquer coisa, benze-se a si próprio, fazendo o sinal da cruz com o ramo. 

"FULANO (nome de quem é benzido) Deus te fez, Deus te criou, olhar de quebranto, deste mal Deus te curou.
Se for na tua gordura, ou na tua formosura, nas tuas carnes ou na tua feiúra.
Nos teus olhos, no teu cabelo, no teu comer, nas tua carnes.
Na tua saúde, na tua disposição, na tua beleza, no teu trabalho na tua inteligência.
No teu bom sentido. No teu bom pensamento.
Se for inveja, se for má vontade. Que seja saído, que seja tirado e lançado às ondas do mar sagrado. Com o poder de Deus e da Virgem Maria.

Pai nosso. Ave Maria. Glória ao Pai."

Diz-se a oração e as rezas cruzando o galho sobre o corpo da pessoa e especialmente sobre as partes que são benzidas. Após o término jogar o galho fora, ele está impregnado das energias negativas que foram retiradas da pessoa benzida.

Há muitos que falam que não se deve benzer animais. Pessoalmente, não tenho nada contra. Como tudo que há sobre a terra é criação divina, Deus não negará sua benção sobre nada que ele criou, então acho válido realizar benzimentos em qualquer coisa, pessoas, plantas, animais. Abaixo segue uma versão desse benzimento para ser usado em plantas.

"(DIZER NOME DA PLANTA) Deus foi quem te fez, Deus foi quem te Criou, Deus é quem te cura, do mal que em ti penetrou. Se for nas tuas raízes, se for no teu caule, se for nas tuas cascas, ou nas tuas folhas.
No teu fruto, nas tuas flores, na tua formosura, no teu perfume, na tua seiva. Se for inveja, se for má vontade. Que seja saído. Que seja tirado e lançado às ondas do mar sagrado. Em nome de Deus e da Virgem Maria.

Pai nosso. Ave Maria. Glória ao Pai."

O procedimento é o mesmo. Lembrando que em qualquer caso, se sentir que repetir a oração uma vez não foi suficiente, pode falar ela mais de uma vez. Algumas pessoas adotam por procedimento dizer a oração 3 vezes, outras sete. Eu uso a intuição para saber quantas vezes repetirei em cada caso.

Já usei esse benzimento das plantas em plantas que estavam secando devido a mal olhado, com a recuperação do vegetal. Lembrando que o elemento principal da reza é a fé, se rezar com fé, sempre será atendimento, principalmente se estiver rogando as energias divinas que curem uma criatura de Deus.


Sobre o objeto usado para benzer, os ramos verdes são amplamente difundidos, mas há quem use, terços, rosários, escapulários, cordões religiosos e etc. Conheci uma benzedeira que usava apenas os dedos indicador e polegar cruzados. O importante é não rezar sem criar esse anteparo para prevenir que as energias negativas retiradas da pessoa benzida afetem o benzedor.